24 / maio / 2019

A reinvenção da alta-costura

Quando falamos em alta-costura, costuma vir à mente a imagem de senhoras aristocráticas em bailes suntuosos cheios de brilho com vestidos exuberantes e cheios de luxo. Durante muito tempo, essa imagem refletiu a realidade com perfeição, o que em parte explica porque a couture acabou, por assim dizer, saindo de moda. Acreditava-se que ela não tinha espaço na nova realidade digital de um mundo cada vez menos focado no consumismo graças a recentes turbulências econômicas. Mas quem apostava no fim da alta-costura errou feio: renovada, ela começa a voltar aos holofotes e reconquistar sua posição de prestígio no universo fashion.

 

Totalmente modernizada, a couture de 2019 deixou definitivamente para trás a imagem de “vestido de baile” e começa a abraçar um perfil de cliente mais jovem, apresentando maneiras totalmente criativas de trabalhar elementos clássicos como estampas florais, babados e volumes estruturados. As peças transpiram frescor e jovialidade. É o início de uma nova Era.

 

Mercado aquecido

 

Alguns fatores econômicos ajudam a explicar o reaquecimento do mercado da Alta-costura. 11 anos depois da crise nos Estados Unidos, a recuperação economia trouxe as americanas – e suas filhas – de volta para os desfiles. Ao mesmo tempo, países com bom desempenho comercial, como Índia e China, estão contribuindo para o aumento de interesse e público, fortalecendo e diversificando as oportunidades do setor.

 

Com uma plateia cada vez maior disposta a assistir – e, principalmente, consumir – o interesse de grandes nomes do mundo fashion cresceu proporcionalmente. Esse ano, por exemplo, a Balmain, clássica marca francesa, voltou a dar o ar da graça na Semana da Alta-costura, após um hiato de longos 16 anos. Grifes jovens, como Marine Serre e Richard Quinn, também já começam a explorar o segmento, com uma abordagem mais voltada ao varejo.

 

Outra queridinha dos jovens modernos também teve sua parcela de contribuição no reaquecimento da alta-costura: no final de 2018, a Netflix lançou o documentário “Reta Final” (7 Days Out), que mostra os sete dias que antecedem a realização de grandes eventos esportivos, da moda, da exploração espacial e da gastronomia. O primeiro episódio acompanha Karl Legerfield e seus preparativos para o desfile de alta-costura de verão 2018 da grife. É o glamour da moda de alto luxo invadindo lares do mundo todo.

 

Mas a cereja no bolo foi um dos aplicativos de smartphone mais populares do mundo: o Instagram.

 

Alta-costura e a força das redes sociais

 

A combinação smartphone mais moda é uma das mais poderosas da nova era na qual nossas vidas são diariamente compartilhadas e consumidas nas redes sociais. Perfis de todas as partes do mundo, dos mais diversos estilos, mobilizam literalmente milhões de seguidores com seus estilos próprios de vestir e as últimas novidades do mundo fashion, contribuindo para fazer explodir como nunca o interesse pelo assunto. Se antes era preciso ser um obcecado por moda para acompanhar os principais lançamentos e tendências, hoje bastam alguns toques na tela do celular e seguir as pessoas certas.

 

Em um universo totalmente visual, onde imagem é tudo, é natural que a moda tenha encontrado nas redes sociais um habitat altamente convidativo para se estabelecer e prosperar. Mais natural ainda é que a alta-costura tenha encontrado ali o lugar ideal para o seu renascimento. Sua aura de luxo, aristocracia e glamour desperta atenção, desejo e curiosidade, principalmente dos mais jovens. O que era inalcançável para a grande maioria dos meros mortais, agora pode ser levado para dentro de casa por qualquer pessoa com um smartphone na mão. O grande trunfo da couture foi justamente se posicionar como uma fábrica de sonhos.

 

Um mundo de magia e imaginação sem limites

 

Enquanto a moda ready-to-wear vive a pressão incessante de alcançar vendas a todo custo, à alta-costura é permitido sonhar. Assim, brilham na passarela conceitos, provocações e ousadias. A imaginação não tem limites para encantar e surpreender. Com orçamentos ilimitados à disposição e sem qualquer barreira para criar, as grandes casas da moda criam visuais sob medida não apenas para as passarelas, mas também para os feeds das redes sociais.

 

Ninguém exemplificou melhor essa nova abordagem do que a dupla holandesa Viktor&Rolf. Na última semana de alta-costura, sua coleção Fashion Statements viralizou trazendo mensagens como “F* This I’m Going To Paris” e “I’m Not Shy, I Just Don’t Like You” aplicadas sobre exuberantes vestidos de baile. A combinação perfeita entre os dois mundos, o luxo histórico do passado com a cultura de memes do presente.

 

Mas a renovação da alta-costura não fica apenas na forma; há muito trabalho sendo feito também no conteúdo. Outro grande destaque da Semana fez questão de deixar isso claro para o mundo todo.

Ovacionado por um público visivelmente emocionado, o trabalho do estilista deu o recado em alto e bom som: a alta-costura ainda vive – e vive intensamente.

Fonte: FFWFolhaUOLVogueVogue, VogueObservadorFolhaNetflix.