08 / mar / 2019

Mulheres de destaque em áreas surpreendentes.

Se até bem pouco tempo atrás era incomum observarmos mulheres desempenhando certas funções mais associadas ao universo masculino, como a de piloto ou mecânico, hoje essa realidade é bastante diferente. As mulheres estão em todo lugar, mostrando todo seu talento e habilidade. E chegaram para ficar.

Sempre associadas à delicadeza e à doçura, as mulheres começam a mostrar cada vez mais que a força e a habilidade matemática também faz parte do seu repertório. Antes, muitas delas acabavam deixando de lado seus gostos e vocações por simplesmente acreditarem que não pertenciam àquele universo. Com o passar do tempo, contudo, foram tomando coragem e hoje não têm mais medo de seguir seu coração.

Um excelente exemplo é o caso de uma jovem youtuber que resolveu não chamar um profissional quando precisou reformar seu quarto. Como havia feito um curso de alvenaria na adolescência, resolveu ela mesmo realizar a obra e, seguindo um conselho da mãe, postou o processo no YouTube, em forma de tutorial. O vídeo fez sucesso e ajudou a impulsionar seu canal, que já conta com mais de 125 mil inscritos. E mais do que isso: ajudou a incentivar outras mulheres a colocarem, elas mesmas, a mão na massa.

Aumento no interesse por áreas consideradas masculinas

Mas o caso da youtuber não é apenas uma situação isolada. De acordo com dados do Censo de Educação Superior, do INEP, a participação feminina nos cursos de automotiva e mecânica vem registrando um crescimento considerável desde 2009. Naquele ano, o único curso de graduação do país especializado em mecânica automotiva registrou apenas uma mulher inscrita no total de 85 alunos. Em 2015, elas já representavam 7,5% dos inscritos, um crescimento de 9,7%, de acordo com o estudo.

Uma jovem de Rio Branco, por exemplo, viveu essa situação na pele. Quando decidiu fazer uma série de cursos para realizar seu sonho de ser mecânica, se viu como a única mulher entre 25 homens. Ela teve que enfrentar o isolamento na hora dos intervalos, o descrédito e piadas para conseguir se formar. Sua motivação, inclusive, veio justamente do sentimento de ser passada para trás pelos mecânicos que cuidavam do seu carro simplesmente por ela ser mulher. Com foco nos seus objetivos e dedicação, ela conseguiu realizar seu sonho e abriu a primeira e única oficina mecânica de mulheres de Rio Branco, que conta com cinco funcionárias treinadas por ela. Cerca de 70% do seu público é feminino.

Mulheres no cockpit: a presença feminina decola

Outra área em que a presença feminina tem se mostrado cada vez mais presente é a de pilotagem. Apesar de essa ser uma das áreas onde as mulheres estão menos representadas no país – correspondem a cerca de 1,4% apenas, segundo dados da Agência Nacional de Aviação (ANAC), enquanto a média mundial é de 5,4% – os números têm registrado crescimento com o passar dos anos. De 2009 a 2015, a presença feminina em cursos de aeronáutica e pilotagem saltou de 9,3% e 4,3%, respectivamente, para 13,3% e 10,2%. Um aumento lento, porém, contínuo.

Não à toa, o número de mulheres com licença para pilotar registrou um crescimento vertiginoso em dados apurados no ano passado. De 2015 a 2017, o aumento no número de mulheres com licença para pilotar aeronaves foi de 106%; com licença de pilotos privados de avião subiu 165%, enquanto o segmento de pilotos privados de helicóptero registrou um salto de 255%, chegando a 167 mulheres em 2017.

Mulheres Maravilhosas

Uma boa forma de entendermos como a mulher vem conquistando seu espaço – e até de prestar uma homenagem a todas que serviram para abrir caminho a todas que vieram depois – é conhecendo a história de mulheres extraordinárias que contribuíram para realizações significativas na história da humanidade. Para você que se interessou, indicamos a obra Wonder Women – 25 mulheres inovadoras, inventoras e pioneiras que fizeram a diferença.

Escrito pela canadense Sam Maggs, que costuma celebrar a força e a história da mulher em suas obras, o livro conta a história de algumas mulheres que quebraram barreiras e fizeram história, embora sejam ilustres desconhecidas para a maioria das pessoas.

Com uma prosa leve e bem-humorada, estão lá, por exemplo, a trajetória de Alice Ball, química e pesquisadora médica dos EUA que desenvolveu o tratamento mais eficiente para lepra até os anos 1940, além de ser a primeira mulher negra a se graduar na Universidade do Havaí e a obter um mestrado; a história de Lise Meitner, física austríaca que estudou radioatividade e física nuclear para descobrir a fissão nuclear, e tantas outras que deixaram sua marca em meio a muita desconfiança e repressão. Uma leitura interessante e altamente conectada com a realidade que vivemos hoje.

Quando conhecemos a fundo a história de todas essas mulheres e vemos por tudo que elas tiveram que passar, fica claro que a realidade hoje não está vivendo uma “invasão” feminina. As mulheres, na verdade, estão apenas tomando de volta o que era delas por direito, mas foi negado durante muito tempo com base em ideias ultrapassadas e sem sentido. E nós, que nos inspiramos em toda a força, garra e talento femininos, aplaudimos essas conquistas!

Fontes: Gênero e Número, Época Negócios, Wikipédia [1, 2 e 3], Medium, Amazon e Sam Maggs.